Propagandas

Pesquisar no BLOG

sexta-feira, 14 de junho de 2013

Detento tem o coração arrancado com estilete em Penitenciaria de Sorocaba.

Um crime de extrema violência aconteceu numa das celas do "seguro" da Penitenciária Danilo Pinheiro (P-1), no bairro Mineirão, em Sorocaba, ontem de manhã. Um preso arrancou o coração de outro com um estilete improvisado, deu banho nele e o colocou vestido no banheiro, para que demorassem a descobrir que estava morto.

O preso acusado do homicídio é Osvaldo Lopes de Oliveira Filho, 30 anos, que cumpria pena por furto e roubo. Alex Fabiano Antônio Pereira, 32, estava preso por furto. Ambos ocupavam a cela 6, do seguro. Osvaldo confessou o crime aos agentes penitenciários logo após a contagem de presos. Havia um homem a menos na cela. Osvaldo descreveu como matou Alex, cujo corpo foi encontrado no banheiro.

Osvaldo contou que... inicialmente deu um golpe do tipo "mata leão" em Alex, imobilizando-o e fazendo desmaiar. Em seguida, com um estilete fabricado artesanalmente dentro do presídio, ele abriu a barriga e arrancou o coração do outro preso. Havia outros detentos na cela, que viram a terrível cena.

Osvaldo contou que deu banho em Alex, já morto, e limpou o sangue. Vestiu-o e o deixou no banheiro da cela. O acusado disse que matou Alex porque ele o teria delatado como integrante da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), sendo por isso levado para a cela do "seguro", onde estão os presos ameaçados de morte dentro da penitenciária.

Alex já estava na cela quando Osvaldo chegou e ficou sabendo que foi delatado como membro do PCC, o que segundo ele não é verdade. A maioria dos detentos da P-1 é da facção Terceiro Comando da Capital (TCC), rival do PCC. Osvaldo é acusado de homicídio praticado por motivo fútil e permanecia preso na P-1. O estilete usado no crime não foi encontrado na cela.

Cesinha
Em 2006 houve uma série de nove homicídios na Penitenciária Danilo Pinheiro relacionada à disputa entre as duas facções. Presos ligados ao PCC que ingressavam na unidade pretendiam matar Cesar Roriz Camargo, o Cesinha, dissidente do PCC e líder do TCC. Presos do TCC se antecipavam e praticavam os crimes geralmente com facas improvisadas e pedaços de madeira. Cesinha foi morto em agosto de 2006 na Penitenciária de Segurança Máxima de Avaré, com estacas cravadas no peito e no pescoço.
Marcelo Roma
Cruzeiro do Sul

TWITTER

Siga o BLOG pelo Google+

Google+ Seguidores

Interessados