Propagandas

Pesquisar no BLOG

sábado, 2 de junho de 2012

Rebeliões na Paraíba deixaram grande saldo de destruição, diz Seap.

As rebeliões que se estenderam por cerca de 18 horas em dois presídios da capital paraibana, nessa quarta-feira (30), deixaram um grande saldo de destruição, avaliou a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) nesta quinta (31). O órgão estima que sejam necessários 30 ou 40 dias para a realização dos reparos.

De acordo com o órgão, no Complexo Penitenciário de Segurança Máxima Romeu Gonçalves de Abrantes, mais conhecido como PB1 e PB2, os detentos destruíram três dos quatro pavilhões. Apesar de terem acabado com muitas paredes na parte interna, não conseguiram sair dos pavilhões. 

Os detentos estão abrigados na área de emergência do Complexo, enquanto é realizada uma vistoria para avaliar melhor os prejuízos causados nas duas unidades prisionais.

A penitenciária, que é de segurança máxima, abriga atualmente cerca de 700 detentos. Durante uma operação pente fino, realizada ontem imediatamente após o fim da rebelião, a polícia apreendeu bananas de dinamite. Os detentos utilizaram partes das grades para dificultar a entrada da polícia nos pavilhões. As visitas estão suspensas por tempo indeterminado no complexo.

Já na penitenciária Flósculo da Nóbrega, o presídio do Roger, que fica na área central de João Pessoa, os presos atearam fogo em diversos em colchões e outros objetos durante a rebelião. A Seap ainda não tem detalhes das áreas depredadas durante o motim, mas acredita que tenham sido mínimos, uma vez que eles não conseguiram sair das celas. Ainda assim, as visitas previstas para o domingo (3) também foram suspensas.

Nesta quinta-feira (31) à tarde, o tenente-coronel Arnaldo Sobrinho, diretor executivo do Sistema Penitenciário, vai participar de uma reunião com o secretário da Seap, Washington França para definir as próximas medidas.

REBELIÕES - Considerada como a maior rebelião do Sistema Prisional da Paraíba, a confusão começou por volta das 19h da terça-feira (29), no Complexo Penitenciário de Segurança Máxima (PB1 e PB2), localizado em Jacarapé. Uma hora depois, os detentos do Presídio Flósculo da Nóbrega, também conhecido como Presídio do Roger, que fica no bairro de mesmo nome, iniciaram um motim.

Em ambas unidades, os detentos atearam fogo em colchões e depredaram os prédios. Somente 18 horas após o início da confusão, a Polícia conseguiu dar um fim às rebeliões.
Vanessa SilvaDo NE10/ Paraíba

TWITTER

Siga o BLOG pelo Google+

Google+ Seguidores

Interessados